BERENICE

Berenice é uma garota cuja beleza às vezes se confunde com sua alegria de viver. Seu lugar preferido é o campo onde ela corre sempre descalça e com um largo sorriso no rosto. Egeu, nunca se avistam seus dentes, depressivo por natureza e com uma saúde pra lá de debilitada vive no escritório do casarão antigo de sua família. Sua relação com o mundo se dá através dos livros que ornamentam sua biblioteca. Do encontro entre esses dois personagens nasce uma doentia fixação que termina de uma forma trágica para ambos.

Livre adaptação do conto homônimo de Edgar Allan Poe, BERENECE empresta deste o mistério e o final trágico. A doença de Egeu, monomania, estrutura a narrativa do longa, assim como da própria fotografia. A opção por planos longos e contemplativos, a utilização de blacks e cenas construídas como quadros são elementos que fazem referência direta à sua doença. Tendo como base o texto “Filosofia da composição” de Poe, o filme pode ser entendido como um poema que tem como objetivo o Belo, onde o tom é a Tristeza e a Melancolia. Essas duas últimas bem representadas na trilha sonora original composta no piano. Os diálogos foram substituídos por poemas dos heterônimos de Fernando Pessoa, Ricardo Reis e Álvaro de Campos. Assim, temos o universo de Poe temperado pela melancolia de Álvaro de Campos e pela fome de viver de Ricardo Reis.

Ficha técnica

BERENICE – Brasil – 2017 – 76'26"

Produção: DGT Filmes / Wellington Darwin e Sergio Gag / Produção local: Marcelo Pfaff

Direção e Roteiro: Wellington Darwin - Direção de Fotografia: Andreia Justino - Direção de Arte: psicotikka - Montagem: Sergio Gag - Trilha Sonora: Eduardo Bonzato - Som Direto: Leonard de Almeida

Elenco: Beatriz OSilva e Ian Boato

Melhor Filme Experimental - Around International Film Festival - Amsterdã - Junho 2017

O Casarão