top of page

KATI RAPARI KIN
Será que você está ouvindo? Eu quero que você escute

Akã é o ancião da aldeia Nasepotiti, no sul do Pará. Ele nos conta a saga do povo Panará a partir do contato com o homem branco, há pouco mais de 50 anos, durante a abertura da estrada Cuiabá/Santarém. 

Praticamente dizimados pelas doenças trazidas pelo contato, os Panará sobreviventes foram levados ao Xingu, onde passaram mais de vinte anos sem conseguirem se adaptar ao território, muito diferente daquele que habitavam antes.

Depois de intensa articulação, conseguiram voltar a uma parte de sua terra ancestral ainda preservada, onde retomaram seu modo tradicional de vida e onde viram sua população voltar a crescer. Enquanto ouvimos essa história, acompanhamos o cotidiano Panará, suas festas, a corrida de tora, a caça e a pesca, a preparação da comida e o cuidado com a roça. Acompanhamos também os desafios de conciliar seus modos de vida com a chegada da tecnologia e a presença do agronegócio e da mineração nos arredores de seu território.

Nasepotiti2.jpg

com
Akã Panará
Kunity Metuktire Panará
Pasyma Sankuê Panará
Tepipio Panará
Jôôpyti Panará
Pysy Panará
Kowpy Panará
Sâkiêrã Panará

Direção - Sérgio Gag Kreton
Produção executiva - Darwin Sowquapera / Fernando Dias
Assistente de produção - Ederon Marques Tepakrit
Produção local - Instituto Iakiô - Pasyma Sankuê Panará / Kunity Metuktire Panará
Consultoria de produção - Paulo Junqueira Potiti
Roteiro - Sérgio Gag Kreton 
Direção de fotografia - Igor Amaral Kipopow 
Técnico de som direto - Leonard Almeida Nanty 
Pintura corporal - Kãjãn Panará / Sâso Panará
Montagem - Sérgio Gag Kreton
Trilha sonora - Flavia K
Fotos históricas - Pedro Martinelli / ISA Instituto Socioambiental
Tradução - Kunity Metuktire Panará
Vinheta, motion graphics e arte - Dudu Toledo
 

CARTAZ_PanaráBETA3.jpg
bottom of page